(Ins)pira Cantinho do Despertar

A arte de Renascer

Tem tempos que a gente entra no casulo. Se aquece e espera o tempo passar. Amadurece o fruto. Troca a pele. Perde as escamas.

É preciso tirar toda a velha roupagem para que a nova possa ser vestida. Não há certezas sobre o que vem já que novo pedaço de ti será concedido a partir do momento em que abandonar a velha mobília.

É assim que o sofá que você doa se transforma no melhor presente que alguém poderia receber para seu lar em muito tempo. E é assim que você cria espaço na sua casa para que a criatividade preencha o espaço ou desfruta os novos sons que o vazio te permite ouvir.

Aos viciados em mudança, como eu, a lição é a permanência. O tempo entre ficar e partir. O tempo entre desfrutar e agir. A observância de que tudo muda o tempo todo. Ainda que você só observe.

Aos que relutam, o aprendizado de ver que, quer queira quer não, as coisas mudam. Deixar pessoas irem, deixar casas, deixar empregos, deixar cargos, deixar posições, deixar tudo aquilo com o que você sempre se identificou partir é abrir espaço para um novo você que está nascendo.

A mudança é a lei. A impermanência é bela. Em todos os seus contrastes, belos ou desafiadores, aprendemos a dançar a vida. A sentir as emoções e saber que passam. As boas e as ruins.

Os abismos em que nos enfiamos nos tornam mais fortes quando voltamos. Os momentos de êxtase nos lembram que somos capazes de atingi-los sempre que desejarmos. Desde que dispostos a pagar o preço de nunca mais voltar ao ponto inicial.

Se é verdade que viver não tem qualquer sentido, como diz Allan Watts, que possamos nos conceder todos os dias uma razão para acordar. Que amar mais, perdoar mais, agradecer mais sejam exercícios diários para colocar nosso Ego no seu lugar. Que possamos assumir as rédeas de nós mesmos e colocar nosso desejo por mais em conquistas do espírito.

O que faz o seu coração vibrar? O que te faz sentir vibrantemente vivo ou até mesmo numa paz completa apesar de qualquer situação?

Que possamos sobretudo ser gentis conosco. E assim, olhar a todos sabendo que todos estamos passando pela mesma experiência HUMANA de existir de forma significativa para nós e para os outros.

Que saibamos que nós somos importantes. Porque de fato somos. Cada um de nós.

É necessário se olhar. É necessário tirar os excessos. Chegar à bruteza de sua própria existência. Como pedra a ser lapidada. Chegar ao olho do furacão.

Para então, finalmente, libertar-se de si. Das limitações. Das descrenças. E então permitir que sejamos o reflexo do sol. Que sejamos água. Que sejamos águia. Que possamos alçar vôos tão distantes ou tão altos quantos os anseios de nossa alma.

Que você possa descobrir o leão que há dentro de você, ainda que com uma roupagem de borboleta.

Cada um mata um leão por dia. O maior deles é você mesmo.

Não mate o leão, SEJA o leão.
Aí sim, você está pronto para Ser quem você veio para ser.

I am back, baby.

 

por Ligia Tosetto do Prado

sol

 

Deixe sua marca por aqui! Adoraria ouvir o que você tem a dizer!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s